segunda-feira, julho 19, 2010

Curitiba PR - Finale

Post feito do meu próprio computador, no meu próprio quarto, no meu querido Estado Rio Grande do Sul.

Sim, as pessoas em Curitiba são muito reclusas e pouco amigáveis, parecem ter medo do resto do mundo ao seu redor, prefiro mil vezes o meu Rio Grande.
Durante uma ida ao centro de Curitiba sem meu querido mp3-zinho me lembrei de uma música. Curioso ter lembrado justamente dessa música que traduzia exatamente o quanto aquela cidade podia ser boa mas meu estado era melhor.

Céu, Sol, Sul, Terra e Cor - Família Lima

Eu quero andar nas coxilhas sentido as flechilhas das ervas no chão,
Ter os pés roseteados de plantas ficar mais trigueiro com o sol de verão,
Fazer versos cantando as belezas desta natureza sem par


E mostras para quem quiser ver,
Um lugar prá viver sem chorar

É o meu Rio Grande do Sul,
Céu, Sol, Sul, Terra e Cor,
Onde tudo que se planta e cresce,
E o que mais floresce é o amor


Eu quero me banhar nas fontes e olhar horizontes com Deus,
E sentir que as cantigas nativas continuam vivas para os filhos meus,
Ver os campos florindo e as crianças sorrindo felizes a cantar


E mostras para quem quiser ver,
Um lugar prá viver sem chorar

É o meu Rio Grande do Sul,
Céu, Sol, Sul, Terra e Cor,
Onde tudo que se planta e cresce,
E o que mais floresce é o amor


Continuo axando que não voltarei àquela cidade se não for com amigos e para ficar em um hotel, ou acampando. Tem váras coisas bonitas para se ver e legais de se fazer (teatros por exemplo) embora eu não tenha visto nada e nem feito nada alem de compras. Sinto que estava com a companhia errada para conhecer algum lugar.

Devido a um pequeno grande mal entendido de horários e números de telefone acabou que o retorno da excursão do Ndsign não era as oito horas da noite e sim da manhã. Fui acordada por minha mãe me ligando as dez horas e meia da manhã dizendo que estavam me esperando fazia duas horas. Creio que nunca me arrumei tão rápido, porém fiquei umas duas horas e meia dentro de um ônibus (na verdade três diferentes, mas tudo bem) para chegar até onde o povo estava (do outr lado da cidade). O lado bom é que eles não me mataram pela demora e pude rever (e passar as dez horas da viagem) com meu, muito meu, boyfriend. Se duvidar, a viagem de volta com eles foi a parte mais divertida de todo esse meu passeio.

Gastei muito mais dinheiro do que havia planejado, não fiz nenhum dos passeios turísticos que queria, morri de saudade da minha cachorra e do meu chuveiro a gás (nem pergunte) e cheguei a conclusão de que viagens para visitar alguém não é legal, viagens para visitar lugares com os amigos são o bom da coisa. De fato, uma semana já teria sido tempo mais que suficiente para tudo o que fiz em Curitiba.

Amanhã reverei meus amigos e poderei retomar minha vida (parei com essa vida skins depreciadora dos últimos seis meses). As festas, a internet e as madrugadas criativas. Posso não ter que me preocupar com emprego e coisas do gênero, mas pelo menos não esqueci o que é diversão e nem abri mão da minha vida por algo que não vale a pena. Deixar de viver o presente para ficar planejando um futuro é uma ótima maneira de descobrir que quando o tal futuro chegar, todo o passado foi gasto em vão.

Um comentário:

LIA disse...

Ju que viagem hein? aproveitar um pouco, mudar de ares faz bem e assim renovamos as nossas forças pra encarar a vida com outro sentido e quando der faça isto, é sempre bom.
beijos